Feliz Natal!

    Natal é nascimento.

    Guardamos a data em que respiramos pela primeira vez, mas nos esquecemos de que todas as outras respirações são tão importantes como a primeira.

    Na verdade, portanto, estamos sempre nascendo. Pelo menos deveria ser assim…

    Fiquei sem ver por anos um amigo. Ele progrediu muito, em termos materiais: doutorado, casa própria, subiu muito na sua carreira. Não obstante esse aparente sucesso, ele me pareceu com a mesma idade – em termos de desenvolvimento existencial – da última vez em que estivéramos juntos.

    Por outro lado, já vi pessoas que transpuseram montanhas de obstáculos em poucos segundos. Num momento, eram sombras; no outro, brilhavam.
Aquele doutor respirou por anos, mas está morto. O outro não apenas respirou e respira: nasce de novo em cada respiração.

    Eu sou – agora – a somatória das minhas respirações, da água e dos alimentos que ingeri, das emoções que senti, das pessoas que conheci, das lágrimas que chorei, dos risos que acentuaram minhas bochechas, dos abraços que dei e recebi, dos desencontros, dos meus erros e acertos, da minha compaixão e da minha frieza, dos livros que li, das músicas que ouvi e cantarolei, das idas corajosas, dos recuos mesquinhos, da busca pelo heroísmo e da constatação da covardia.

    Agora, exatamente agora, um moribundo, lá no fundo do poço cavado por ele próprio, pode fazer o esforço para sair do lodo.

    Agora, exatamente agora, um rei pode, em seu palácio, dar o primeiro passo para ouvir os clamores dos seus súditos.

    Agora, exatamente agora, podemos escolher nascer de novo.

    Feliz novo nascimento agora!




Publicado originalmente no “Imprensa Livre”, em dezembro de 2013.

Talvez você também goste!
Baú do Odair

Publicações similares

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.
Menu